sexta-feira, 7 de janeiro de 2011


APRENDIZADOS E APRENDIZES
CRÔNICA DE:  Sérgio Aparecido Dias
(...e de quem mais poderia ser?)


Pois é pessoal, a gente aprende certas coisas na escola, que depois nunca usa.

Por exemplo, observe esse enunciado de física: "a menor distância entre 2 pontos é a linha reta". Pode até ser, mas um boi bravo não liga para isso, você não pode correr em linha reta até a árvore mais próxima, senão ele te pega; você tem que correr em zigue-zague, velho!

Sempre se argumentou que precisamos aprender História. Aprender História pra quê, se o que já passou eu vi no jornal de ontem, e o que está acontecendo eu vou ver no jornal das 8 e o resto eu vejo na Internet?

Quanto à química, meu professor nunca me falou da "química que rola". Resultado: uma garota me perguntou se podia "rolar alguma química", eu não sabia o que era e me dei mal.
E sobre o 2° mais conhecido enunciado da física, de que "toda ação gera uma reação", essa eu aprendi, quando ofendi um brutamontes que mais parecia um armário e recebi um baita de um tabefe no pau da venta. Aí eu entendi o seguinte: lá na escola nós aprendemos na teoria, enquanto que, aqui, nós aprendemos na prática. Espero não mais ter que levar nenhum tabefe, catiripapo, sopapo, bofetes e coisas do gênero. Valeu nesse caso a teoria aplicada, mas doeu pra danar e foi extremamente humilhante.
Mas é assim que se aprende. Aliás, meu pai vivia dizendo que o mundo é uma escola onde sempre se está aprendendo.  Eu ouvia Tião Carreiro e Pardinho cantando a mesma coisa no rádio. E pensava: “eles devem ter aprendido com papai”. Já a minha mãe me avisava: “um dia você aprende na escola do mundo...por bem ou por mal!!!” Entendo agora o que ela quis dizer: na teoria é uma coisa e na prática é outra, geralmente muito mais dolorosa.
Mais tarde me disseram que todo “bom brasileiro” deve saber votar e votar bem, para escolher os seus melhores representantes. Essa parte teórica creio ter aprendido. Mas na prática nunca me dei bem. E pelas reclamações e protestos que assisto nos noticiários, ninguém nunca se deu bem. Só os políticos se dão bem. Esses vivem rindo à toa, recebem salários altíssimos, têm privilégios que ninguém mais tem, ficam dias e dias sem trabalhar, não são descontados em seus salários e nem mandados embora. Mais ainda: inventam um tal de “expediente extra” (como se tivessem já trabalhado nas horas normais) e recebem num dia o que um assalariado recebe num mês. Não entendo isso, pois se eu faltar 1 dia no trabalho (mesmo que seja por caganeira!) sou descontado, ouço um monte de desaforo e sou ameaçado de ir “para o olho da rua”.
Para conseguir uma mísera passagem de ônibus (não digo nem em avião!!!) tenho que perambular por uma quantidade incrível de departamentos e escritórios, preencher uma quantidade mais incrível ainda de formulários (todos em 4 vias), implorar e choramingar quase de joelhos e provar que não tenho condições de pagar a passagem. E quando chego esbaforido na rodoviária, com a passagem na mão, descubro que o ônibus já partiu há mais de 2 horas. Irritado e profundamente revoltado, pergunto gritando ao responsável, agitando freneticamente a passagem em minha mão:
“- O que eu faço com essa passagem, agora?!?”
“- Você quer MESMO que eu diga? Deseja MESMO saber???”
 É claro que eu não desejava ouvir mais outro insulto. Melhor engolir o desaforo e agüentar as gargalhadas da multidão, até dobrar a próxima esquina.
Mas os políticos e parlamentares têm direito a diversas passagens todos os meses e de avião! Inventam “compromissos” em Miami, Paris e Nova Iorque (que eles gostam de chamar de New York) e aproveitam para levar a mulher, os filhos, a mãe, o cachorro, o papagaio e o diabo a quatro! Tudo às nossas custas, tudo com dinheiro público, tudo tirado dos bolsos de quem trabalha 8 (ou mais) horas por dia, sem direito a nada daquilo que esses nababos politiqueiros desfrutam!
Mas... a escola do mundo ensina! De vez em quando a Polícia Federal pega um desses larápios com a boca na botija. E alguns deles acabam vendo o sol nascer quadrado. Não tão quadrado assim, pois geralmente eles têm curso superior e desfrutam de prisão especial, com direito a televisão, frigobar e café com pão-de-ló. Mas prisão é prisão e ninguém gosta de ficar preso, mesmo numa prisão de luxo.
Eu cá comigo, comendo meu angu com taioba e farofa de ovo, tô bem longe de toda essa desgraceira. Uma coisa eu aprendi, tanto na teoria quanto na prática: o cidadão trabalhador e honesto, de respeito e de vergonha, sempre gozará dos verdadeiros privilégios do ser humano. Será respeitado pela Sociedade e um cidadão livre, terá uma consciência limpa e dormirá bem todas as noites. Jamais seus filhos se envergonharão de sua conduta. Nunca terá que recorrer a artifícios para explicar a origem duvidosa de fortunas que surgem da noite para o dia. Nem terá que contratar advogados sujos e pilantras, que vivem de burlar a lei e de explorar as crateras e precipícios da justiça, e conseguem livrar da prisão os maiores criminosos e corruptos do país.
 E de aprendiz, com o passar do tempo, tornei-me também um ensinador. A muitos tenho guiado no caminho do bem e da decência, começando por meus filhos e netos. É bem verdade que já escorreguei e cambaleei diversas vezes no decorrer dos anos, mas Deus deu-me forças para me equilibrar e prosseguir adiante. Às vezes acho que tenho ainda muito que aprender. Afinal, “só se acaba de aprender depois que se morre”; e “a vida é um constante aprendizado”.  Dou graças a Deus pelas coisas boas que tenho aprendido. E sobre as coisas más também, das quais tenho me afastado, pelas mesmas misericórdias de Deus.  Prossigo adiante, até o dia que o meu Senhor assim o determinar. Vivendo, aprendendo e ensinando o que é justo, honesto, correto e decente para o bem da Sociedade e da família. Mesmo a despeito de perseguições e da acusação de não ser “politicamente correto”. Já estou careca de saber que a maioria das coisas consideradas “legais” (isto é, de acordo com a lei), são injustas e indecentes. E que grande parte das leis é feita para proteger criminosos e delinqüentes. Temos, inclusive, um “Estatuto do Menor Delinqüente”, travestido de “estatuto da criança e do adolescente”, que permite ao menor cometer toda sorte de crimes, sem que haja a mínima punição ou reeducação (ou será que alguém pensa que essas “Febem da vida” servem pra educar ou corrigir verdadeiramente?!?). Após completar 18 anos, esses criminosos ficam com a ficha limpa, COMO SE NÃO TIVESSEM ASSALTADO, ESTUPRADO, ASSASSINADO, OU BARBARIZADO A NINGUÉM!!!
Sei que não estou sozinho nessa empreitada, tenho consciência de estar muito bem acompanhado por uma grande parcela da Sociedade. Um dia teremos coragem de dizer um “basta” para tudo isso. Até já tivemos, mas fomos iludidos mais uma vez, em troca de “cestinhas”, “bolsas”, “planos”, “pratos” e outros tipos de esmolas. Fomos levados a esquecer passados históricos de crimes “revolucionários”, roubos praticados a título de financiar a “libertação nacional”, e até seqüestros “por motivo justo”. Sem contar que somos obrigados a assistir esse relacionamento vergonhoso com lideranças despóticas, cruéis, tirânicas, sedentas de sangue, financiadoras do terrorismo internacional, inimigas da liberdade e da democracia. E o voto popular tem sancionado toda sorte de desvio moral (e de verbas!) ao longo de décadas, mas eu espero que isso tenha fim. E que o povo brasileiro finalmente aprenda. E que dê valor ao que valor tem.
F I M

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A BÍBLIA ATRAVÉS DOS SÉCULOS - Bibliologia Introdutória

A BÍBLIA ATRAVÉS DOS SÉCULOS Bibliologia Apresentação A Casa Publicadora das Assembléias de Deus tem a grata satisfação de apre...