quarta-feira, 30 de setembro de 2009


Um só Deus. E uma só condenação.

Publicado por Paulo Teixeira em 30 Setembro, 2009
Família Valadão de Maria
Irmãos Valadão de Maria
“Não vos ponhais em jugo desigual com os incrédulos; porquanto que sociedade pode haver entre a justiça e a iniqüidade? Ou que comunhão, da luz com as trevas? Que harmonia, entre Cristo e o Maligno? Ou que união, do crente com o incrédulo Que ligação há entre o santuário de Deus e os ídolos? Porque nós somos santuário do Deus vivente, como ele próprio disse: Habitarei e andarei entre eles; serei o seu Deus, e eles serão o meu povo. Por isso, retirai-vos do meio deles, separai-vos, diz o Senhor; não toqueis em coisas impuras; e eu vos receberei,serei vosso Pai, e vós sereis para mim filhos e filhas, diz o Senhor Todo-Poderoso”. (2C 6.14-18)
Na última semana foi realizado em minha cidade o show “Um só Deus”, com André Valadão, cantor “Gospel” muito conhecido no meio evangélico, e a banda católica rosa de saron.
Como a bíblia adverte, muitos crentes nominais correram para o tal show, que de fato esteve lotado e foi um tremendo sucesso. Um show que prega o amor, a união, a amizade, os mais elevados preceitos bíblicos. Um amor falso. Uma amizade interesseira. Uma união infeliz, que nega a Verdade.
O título do show, e o bordão que usam para divulgá-lo: “O que nos une é maior do que o que nos separa”, são os artifícios de que se servem para justificação do show. O que pode ser esse algo que “nos une”, para ser maior do que o DEUS que nos separa? Antes que os “irmãos”, separados ou não, venham desvirtuar o que de fato houve, tentando justificar o injustificável, vejamos o que disse o próprio cantor gospel, através do post em seu blog, que pode ser conferido neste link. Abaixo, dividido em blocos, o texto na íntegra:
“Milhares de pessoas se reuniram para adorarem a Deus em Goiânia, todos praticamente fazendo algo que nunca fizeram. Saindo das 4 paredes da igreja e entrando em “unidade” para adorarem a Deus.”
Aqui, deixamos que a Palavra de Deus responda: “Que harmonia, entre Cristo e o Maligno? Ou que união, do crente com o incrédulo?”.
“Sem a motivação de levantarem bandeiras religiosas ou placas de denominações. Tudo foi feito para levar a benção, o nome de Cristo e o fluir do Espírito Santo naquele lugar.”
Guardar o Evangelho é uma bandeira religiosa? Defender a mensagem da cruz é uma bandeira religiosa? Seguir a Palavra de Deus é uma bandeira religiosa? Porque essas são as minhas bandeiras. Essas são as bandeiras do povo de Deus. E que “espírito” é esse? O Espírito Santo de Deus, o Consolador enviado ao mundo por nosso Senhor Jesus Cristo, por certo que poderia se manifestar mesmo num lugar onde se concentram pecadores, visto que como uma das pessoas da Trindade o Espírito Santo tem personalidade e vontade próprias. Isto não implica necessariamente na salvação dos que estavam naquele lugar. Mesmo assim, não é condizente com as Escrituras nem com a Santidade de Deus que seu Espírito se manifeste para abençoar um ritual pagão. E este show É um ritual pagão. Basta verificar que nos comentários do mesmo post do cantor que se diz “evangélico”, uma moça relata que se sentiu “desconfortável” quando a banda católica tocou “ave maria.” Neste ponto percebemos, com grande pesar, o quanto cresce o número de cristãos meramente nominais nos nossos dias. Nenhum dos outros “evangélicos” presentes ao circo se mostrou incomodado.
“Nossa geração sem dúvida alguma esta sendo marcada por um tempo novo, diferente de tudo que já se viu. São milhares de pessoas que estão se unindo por um mundo melhor, por vidas salvas, perdoadas e que podem reviver, renascer, desfrutar da benção de Deus”
Sim, desta vez, uma declaração totalmente compatível com a Bíblia. Este é o tempo predito por Jesus em que até mesmo os próprios eleitos seriam enganados. Nunca a apostasia se mostrou tão poderosa e tão disseminada no meio do povo que se diz cristão.
“Tanto eu quanto o Grupo Rosa de Saron nos unimos esta noite em Goiânia para proclamarmos isso: O que nos une é muito maior do que aquilo que nos separa, nossa fé pode gerar em nós amizade, maturidade e comunhão.”
Aqui, mais uma vez, o que nos separa é Deus! Negar as diferenças irreconciliáveis entre os cristãos e os católicos é negar a infalibilidade das Escrituras. É negar a Palavra de Deus. Qualquer um com um mínimo de conhecimento bíblico, sabe que não há absolutamente NADA que nos une. E há um Deus, que criou todas as coisas, e que um dia nos julgará a todos, que nos quer separados de toda a idolatria, de toda a perversão, de toda a mentira. Tal amizade, somente serve aos propósitos da seita romana. Ao ecumenismo que nada mais é do que ledo engano. Como eu disse no comentário ao post do blog do cantor em apreço – que, justiça seja feita, foi mais digno que sua irmã, que jamais permite que apareça algum comentário em seu blog que a critique, simplesmente excluindo tudo que não lhe agrada – que Deus seja misericordioso dos que servem de pedra de tropeço para os pequenos na fé. “Ou que comunhão, da luz com as trevas?”
“Nós evangélicos não somos perfeitos, os católicos também não. Somente Cristo é perfeito e nEle reside toda a plenitude, o próprio Apóstolo Paulo escreveu dizendo: DEle, por Ele e para Ele são todas as coisas.”
Com certeza, “nós evangélicos”, não somos perfeitos. Porque somos humanos, pecadores, dependentes da Graça de Deus. Mas em meio a nossos erros colossalmente humanos e nossas incontáveis falhas, buscamos atingir a perfeição enquanto seguimos a Deus exatamente como o mesmo Paulo aconselhou. Diferente daqueles que não conseguem se libertar de seus dogmas seculares, adorando a mortos e deles esperando intercessão, numa prática herética que invalida o poder sangue do nosso Senhor derramado na Cruz do Calvário. Diferente daqueles que apregoam os “milagres” e “graças” alcançados por outros seres humanos que como cada um de nós após a morte esperam pela segunda vinda de Jesus, e como estão mortos,não podem socorrer aos aflitos e nem interceder pelos que clamam ao Senhor. Existe apenas UM intercessor entre Deus e os homens, Cristo Jesus. E Deus não divide a sua glória com ninguém. Sim, dEle, por Ele, e pra Ele, não para Maria, nem para o papa, nem para os “santos” e “beatos”.
“O que houve neste encontro foi mais uma marca da Igreja do Senhor envergonhando o inimigo e declarando que somos mais do que vencedores em Deus. Obrigado a todo o povo de Goiânia, Brasília, Anápolis que vieram nos prestigiar nesta noite inesquecível para todos nós.”
Não, o que houve neste circo horrendo foi mais uma prova de que o fim dos tempos está chegando. Foi mais uma confirmação da verdade proferida pelo Senhor, quando nos advertiu de que falsas pregações, falsos cristos e falsos profetas viriam pregando doutrinas estranhas à Palavra de Deus. Na verdade, a única vencedora foi a seita romana, que logrou mais um tento em sua luta secular por invalidar a reforma promovida por Lutero. Os mesmos católicos de quem tanto se orgulha o cantor dito “evangélico”, são os que JAMAIS sequer cogitaram abandonar as heresias combatidas pelas 95 teses que Lutero fixou na porta da igreja de Wittenberg na Alemanha. Aqui mesmo nesta cidade, de janeiro a julho deste ano, a seita católica oferecia a “indulgência” aos seus “fiéis”. Justamente a prática vergonhosa de substituir o sacrifício vicário de nosso Senhor, pela “salvação” oferecida pelos romanos.
Esta noite de fato foi inesquecível, pois foi mais uma noite em que o tal cantor e seus fãs/seguidores pisaram no sangue dos mártires protestantes, vítimas da “santa” Inquisição romana.
Nunca uma igreja genuinamente protestante e/ou evangélica poderá sustentar as doutrinas bíblicas em uma mão e na outra segurar as mãos da seita católica romana e suas doutrinas heréticas. Isso é confusão, e Deus não é Deus de confusão!
Ante tão aterradora visão de estúpida confusão e de popular bestialidade, resta-nos pregar o Evangelho e aguardar com fervor ainda mais intenso a volta de Nosso Senhor Jesus Cristo, o único que de fato pode salvar, e que tem autoridade e poder para desfazer toda obra de engano. O único que pode trazer luz e redenção ao mundo.

terça-feira, 29 de setembro de 2009

A NOVA ORTOGRAFIA

Crônica de: Sérgio Aparecido Dias
(...e de quem mais poderia ser?)


            E chegou a nova ortografia. Justamente quando se estava tentando usar corretamente a atual (que, aliás, já virou antiga). Pois que seja (ou que o seja)! Fico aqui pensando (ou fico cá a pensar) que a situação vai piorar, e muito. Não bastasse o besteirol do mau uso do gerúndio, como por exemplo: “em que POSSO ESTAR ajudando...” , “para que possamos ESTAR FAZENDO”, “será que o prefeito PODE ESTAR ajudando”, “quando PODEMOS ESTAR crescendo”, e outras imbecilidades de igual quilate, teremos que engolir a ortografia e a sintaxe lusitana?  Em princípio (se bem que a  priori ficaria mais chique), nada contra a gramática d’além mar.

            Pelo contrário, devemos nosso idioma à santa terrinha. E também os vícios de linguagem, as gírias e etc. Mas de igual modo a acentuação gráfica! E agora querem tirar os acentos das sílabas tônicas. Pois eu não tiro não, podem ver que estou acentuando todas, desde o início desta crônica. Já não bastam os barbarismos do “tu foi”, “tu vai”, “tu fica”? Falaram até que vão tirar o acento do cágado. Pois eu acho que isso vai cheirar muito mal!  E dar uma tremenda confusão nos neurônios da moçada, que por sinal não consegue se expressar em idioma nenhum. A galera do “tio”,”falô”, “papo cabeça”, “se liga”, “manêro”, e outras barbaridades, toma conta das salas de nossas universidades. E como eles mesmos dizem, “não tão nem aí”.

            Pois eu tô (isto é, estou) e não concordo com isso. Ou - como diria aquele ex-ministro - eu “disconcordo”.  Pois, sem acentuação adequada, muitos sujeitos se transformarão em verbos, enquanto artigos e gêneros mudarão de função, numa metafórica operação trans-sexual. Pelo menos enquanto durar o hífen (que talvez até fique sem o “h”). Um chato já me disse aqui no pé do ouvido, que eu não deveria ter hifenizado o sexual. Ora bolas, o sexo é meu e eu ponho nele o que eu quiser! Refiro-me ao acidente gráfico, ou será que tem algum tapado lendo esta crônica?

            É, eu tô mordido sim e com razão! Passei anos e anos aprendendo de um jeito e agora eles dizem que é de outra maneira? E como vou saber quando é “côco”, “cocô” e “cocó”? Vou tomar água de quê? O bebê vai fazer o quê? E a minha mãe vai fazer o quê com o seu cabelo? Eu acho que estou ficando velho pra essas coisas. Ficar mudando pra lá e pra cá é coisa de gente jovem. Eu já passei dos 40 (faz 17 anos), por isso estou encontrando uma certa dificuldade de adaptação. Talvez até mais de uma. Diversas, na verdade.

            Mas tenho que  ir com calma. Passo a passo no compasso. Devo me tornar um “Mário vai com os outros”. Sim, porque “Maria” eu não serei, nem que a nova ortografia a isso me obrigue! Isso é um tremendo desvario, acho que estou ficando maluco. Mas a culpa não é minha e, sim, desses iconoclastas ortográficos, lexicidas maníacos, lesa-vernáculos psicóticos. O que estamos assistindo é uma verdadeira psicose verborrágica maníaco-depressiva em estado irreversível! Pobre Camões, deve estar se revirando em seu túmulo! E vai sentir-se bem pior, quando descobrir que “túmulo” talvez também perca o assento.  Creio que o próprio assento sanitário perderá o acento. E eu perderei o juízo, mesmo porque “juízo” certamente não será mais acentuado. Sabem de uma coisa? Vou terminar aqui mesmo e vou navegar pela Internet, antes que pire de uma vez, e meus 5 neurônios (o Tico, o Teco e os 3 Patetas) entrem em colapso total.

F I M (é lógico, né...)

LOGOS E RHEMA

Todos que freqüentam alguma igreja gedozista ou qualquer um dos movimentos clones do G12, já deve ter ouvido seu pastor fazer uma enorme diferenciação entre logos (logos) e rhema (rhema), para justificar o porquê de alguns não aceitarem a visão ou do motivo de haverem tantos que discordam deste movimento.
Na verdade essa doutrina que diferencia tão enfaticamente a palavra logos da rhema não é bíblica. Fico com as palavras do pastor Eronildes Da Silva, quando comenta a sobre esse tema:
Os apologistas da confissão positiva fazem um "cavalo de batalha" sobre os termos gregos logos e rhema que significam palavra, dizendo que há uma distinção entre eles no sentido de que logos é a Palavra escrita, revelada de Deus, e que rhema é a palavra dita, expressa de Deus, que faz com que as coisas sejam realizadas. Desta forma, eles afirmam que podemos usar a palavra rhema para realizarmos no mundo espiritual e físico aquilo que desejamos.
Entretanto, na Palavra de Deus não há sequer uma distinção teológica entre estes dois termos. Todo estudante da teologia sabe que os nomes sempre aparecem na Bíblia para designar uma função ou estado de um ser ou objeto. Por exemplo: o nome Jeová é o designativo da Divindade quando foi manifestada no tempo para a redenção de Israel; e El-Shadai para suprir a necessidade do povo a fim de que a promessa feita a Abraão fosse cumprida na sua totalidade (Êxodo 6.3). E quanto à ênfase dada por Jesus, "em meu nome expulsarão os demônios", nunca quis ele dizer que seria no poder do nome em si, mas na autoridade da pessoa que o nome se refere ­ Jesus Cristo! A ênfase de Pedro (refiro-me à defesa feita por mim quanto à fórmula do batismo nas águas na Teologia dos Três Batismos), no capítulo dois, e versículo 38 de Atos dos Apóstolos:"e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo", não contradiz o mandamento do Senhor,"batizando-as em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo". Na Bíblia Sagrada, nome é o símbolo de autoridade. A sentença grega epi to onomati Iesou Christou  -  epi to onomati Iesou Christou "em nome de Jesus Cristo", explicita que o batismo deve ser feito na autoridade do nome de Jesus. A preposição grega epi - em nome, de Atos 8.38; a en - no nome, de Atos 10.48 e eis - pelo nome, implica autoridade proprietária e direta legada à uma pessoa! Portanto, acrescentar valores superbos aos nomes mais do que às pessoas que eles representam, seria fabricar uma doutrina panteísta!
O Dr. Russel Shedd afirmou que Pedro não fez distinção sobre estes termos em sua primeira carta, capítulo 1.23-25: "Sendo de novo gerados, não de semente corruptível, mas da incorruptível, pela palavra (logos) de Deus, viva que permanece para sempre. Porque toda a carne é como a erva, e toda a glória do homem como a flor da erva. Secou-se a erva, e caiu a sua flor; Mas a palavra (rhema) do Senhor permanece para sempre; e esta é a palavra (rhema) que entre vós foi evangelizada". Como podemos ver, na mente do apóstolo não havia distinção entre estas palavras. Sendo assim fica desfeita a pretensão daqueles que querem forçar uma interpretação e aplicação errônea destes termos.
(Rev. Eronides DaSilva, ABU – Aliança Bíblica Universitária, Sepoangol World Ministries)

A DOUTRINA DA SANTIFICAÇÃO



Por: Pastor Antônio José


Igreja Evangélica Ministério da Reconciliação - Pernambuco



Introdução:


A palavra Santificação do original Grego é agiasmos “AGIASMOS”, que “significa respeito religioso, separação daquilo que é profano, separação. Iremos estudar, à luz da palavra de Deus, uma das doutrinas mais importantes para o crente em Jesus, que é a doutrina da santificação. 

Efésios 1:4 - Assim como nos escolheu, nele, antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis perante ele; Deus não nos escolheu porque nós éramos santos, mais para sermos santos e irrepreensíveis. Então todo crente em Jesus possui uma chamada de Deus, para ser santo.

1 Pedro 1:15 -16
pelo contrário, segundo é santo aquele que vos chamou, tornai-vos santos também vós mesmos em todo o procedimento.
porque escrito está: Sêde santos, porque eu sou santo.

A característica mais significativa de Deus é a sua santidade. O nome de Deus, é a sua pessoa; e reflete tudo o que ele é e faz.

Isaias 1:4 - Ai desta nação pecaminosa, povo carregado de iniqüidade, raça de malignos, filhos corruptores; abandonaram o Senhor, blasfemaram do Santo de Israel, voltaram para trás. O profeta Isaias refere-se a Deus, como o Santo de Israel.

Salmo 99:3 - Celebrem eles o teu nome grande e tremendo, porque é santo.

Oséias 11:9 - Não executarei o furor da minha ira; não tornarei para destruir a Efraim, porque eu sou o Deus e não homem, o Santo no meio de ti; não voltarei em ira.

Amós 6:8 - Jurou o Senhor Deus por si mesmo, o Senhor, Deus dos Exércitos, e disse: abomino a soberba de Jacó e odeio os seus castelos; e abandonarei a cidade e tudo o que nela há. Deus não tendo nada mais elevado porque possa fazer um juramento, ele jura por si mesmo.

Amós 4:2 - Jurou o Senhor Deus, pela sua santidade, que dias estão para vir sobre vós, em que vos levarão com anzóis e as vossas restantes com fisga de pesca.
Como o Santo que habita acima e além de toda a criação, Deus é também separado de todo mal e poluição moral que contaminam a criação. Sua santidade é um dos seus atributos mais extraordinários portanto é importante dizer que Deus é santo e tudo o que é associado a ele também é santo ou santificado.


Por exemplo: O tabernáculo e o templo onde Deus habitava entre o seu povo, juntamente com seus utensílios, eram considerados santos, as atividades associadas ao culto a Deus, inclusive as ofertas, também eram santas, os primogênitos, tanto das pessoas quanto dos animais, eram todos consagrados a Deus, ou santificados. Aquilo que foi separado ou santificado a Deus era distinto do que não era santo. Um altar é um lugar santo, portanto as pessoas que lá estiverem devem ser pessoas consagradas a Deus.

Ezequiel 40:20 - Mediu pelos quatro lados; havia um muro em redor, de quinhentas canas de comprimento e quinhentas de largura, para fazer separação entre o santo e o profano.

Levítico 10:10 - para fazerdes diferença entre o santo e o profano e entre o imundo e o limpo.

Agora a pergunta a ser feita é a seguinte: como pode um cristão viver uma vida de “agiasmos”, vivendo num mundo tão corrompido pelo pecado, onde a tentação o cerca a cada esquina, os dardos do maligno são lançados a toda hora e todo instante?



Resposta: João 17:17 - Santifica-os na verdade; a tua palavra é a verdade.

Infelizmente o sistema religioso tem dito ao povo de Deus, aqui no Brasil durante esses anos, que santo é aquele homem que não joga bola, que não assiste televisão, que não usa bermuda, que não houve música do mundo, que santa é a mulher que não usa calça comprida, que não corta o cabelo, que não vai à praia, que não usa batom. 


Este é o conceito do que seja santificação para o povo dito evangélico. 


Mas a bíblia nos ensina que o que santifica um crente é a palavra de Deus. Ou seja, à medida que uma pessoa freqüenta os cultos, ela vai ouvindo a palavra de Deus, vai praticando  o que ouve e as coisas antigas vão ficando para trás, a própria palavra vai limpando as impurezas (desde que essa pessoa tenha nascido de novo, através da conversão a Cristo – Observação do Pr. Sérgio Aparecido Dias). O segredo da santificação do crente está em ouvir e praticar a palavra de Deus. A pessoa é chamada por Deus das trevas para a sua maravilhosa luz, ela adentra numa igreja, ainda possuindo muitos defeitos, por vezes chama palavrões, mente, não conhece a Deus, está acostumada a se misturar com todo tipo de pessoa. Só que a partir do momento em que ele começa a ouvir a verdade do evangelho, a palavra de Deus vai trabalhando na sua vida, ela vai aos poucos deixando morrer a velha criatura, o velho homem, a velha natureza.

Colossenses 3:5 - Fazei, pois, morrer a vossa natureza terrena: prostituição, impureza, paixão lasciva, desejo maligno e avareza, que é idolatria.

Conselhos importantes na busca da santificação:



01 - Procure sempre dispor de tempo para o seu momento devocional a sós com Deus.
02 - Amanheça já o dia orando e agradecendo a Deus, pelo o dia que se inicia.
03 - Estude a bíblia, não deixe o cansaço atrapalhar a tua comunhão com Deus.
04 - Quando for à igreja não seja um espectador, participe, ore, medite agradeça, 
05- Tenha uma vida de oração ativa. Siga o exemplo de Daniel.
06 - Não tenha comunhão com pessoas que escarnecem da palavra de Deus.
07 - Lembre-se que o seu corpo é morada do Espírito Santo, portanto, cuidado para não profanar o santuário do Espírito que sois vós.

08 - Não faça uso de bebidas, ainda que seja vinho em pouca quantidade

09 - cuidado com a fornicação, com a prostituição, o adultério.
10 - Lembre-se que a bíblia diz que as mais conversações corrompem os bons costumes.

Ao longo da nossa vida espiritual, pessoas podem nos ajudar no processamento de santificação, como também podem atrapalhar a nossa vida espiritual e a nossa santificação. É preciso saber selecionar as pessoas com quem nos relacionamos, apesar que nem sempre isto é possível, pois num ambiente de trabalho por vezes convivemos com pessoas ímpias, pornográficas (na verdade são pornofônicas, ou seja: que dizem coisas indecentes e imorais – Observação do Pr. Sérgio Aparecido Dias), pessoas mentirosas, desleais, pessoas idólatras ,enfim: pessoas escarnecedoras. Portanto devemos vigiar, estarmos atentos, para não nos corrompermos com as más conversações.

Veja o que diz Eclesiastes 9:18 - Melhor é a sabedoria do que as armas de guerra, mas um só pecador destrói muitas coisas boas.

Provérbios 1:10 - Filho meu, se os pecadores querem seduzir-te, não o consintas.

Mateus 26: 41 - Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; o espírito, na verdade está pronto, mas a carne é fraca. Enquanto estivermos nesse corpo de carne, estamos sujeitos a erros, a deslizes, a pecar. A carne essa natureza que não se converte a Deus, precisa estar sob total vigilância, não podemos descuidar dela um minuto sequer. Portanto nada melhor do que vivermos em busca do Senhor, crescendo a cada dia na graça e no conhecimento de Jesus.

I Tessalonicenses 4:3 - pois esta é a vontade de Deus: a vossa santificação, que vos abstenhais da prostituição. A palavra “ prostituição” do grego é porneia “ pornéia” , que deriva do termo porne “pornê”, que significa prostituta, que sugere o tráfico comercial do sexo. Diz respeito também à “fornicação” , pecado sexual antes do casamento, ato da relação sexual entre pessoas solteiras. Algo que não é permitido pela bíblia. Poderíamos, dizer que aqui também estão relacionadas todas as imoralidades. Portanto, quem é de Deus precisa abster-se dessas coisas.
 


Observação: Nenhuma obra sacrificial como jejuns, vigílias, , muitas horas de joelhos no chão, batismos em água, poderá produzir santificação na vida de um crente em Jesus. Somente a ação do Espírito Santo na vida do crente poderá produzir esta santificação, porque só é possível entender a palavra através da iluminação do Espírito Santo.

João 16:13 - quando vier, porém, o Espírito da verdade, ele vos guiará a toda verdade;
É o Espírito Santo que nos guia a toda verdade, é ele que nos faz enxergar essa verdade, é ele que abre o nosso entendimento para compreendermos os desígnios e propósitos de Deus, estabelecidos na sua santa palavra.

Gálatas 5:16 - Digo, porém: andai no Espírito e jamais satisfareis à concupiscência da carne.

No livro de Eclesiastes 3:5 - Está escrito: há tempo de abraçar e tempo de afastar-se de abraçar.



E eu quero terminar esse estudo, dando um conselho aos jovens de Deus, que são namorados, noivos, que ouçam com muita atenção. Há tempo de abraçar  e tempo de afastar-se de abraçar, ou seja cuidado com a carne, vigie, esteja alerta, atento, namoro cristão tem que ser diferente do namoro das pessoas que vivem no mundo, não viva só de beijos e abraços demorados, orem juntos, leiam juntos a palavra de Deus, cresçam juntos na graça e no conhecimento de Nosso Senhor e Salvador Jesus. Não dêem  lugar à carne, há tempo para tudo.

Que o Deus Santo vos santifique em tudo, em nome de Jesus.....

Pastor Antônio José ( Pr. Presidente )
Pastor Francisco Cordeiro ( Pr. Auxiliar )
Igreja Evangélica Ministério da Reconciliação.



segunda-feira, 28 de setembro de 2009

AMIZADE PERIGOSÍSSIMA...PARA O BRASIL!!!

Pr. Sérgio diz: pois é.... e o Presidente Lula é amigo íntimo de Hugo Chavez! Parodiando Luiz Gonzaga, eu diria: “tá danado de ruim, meu compadre!!!”
Publicado por Paulo Teixeira em 9 Setembro, 2009, no HOLOFOTE
Chávez acusa Israel de genocídio em Gaza
PARIS – O presidente venezuelano, Hugo Chávez, acusou Israel de genocídio contra o povo palestino, afirmando a um jornal francês que o bombardeio de Gaza no ano passado foi um ataque espontâneo.
- A questão não é se os israelenses querem exterminar os palestinos. Eles o estão fazendo abertamente – disse Chávez em entrevista ao “Le Figaro” publicada nesta quarta-feira.
O presidente da Venezuela, que acabou de visitar o Oriente Médio e países árabes, contestou a alegação israelense de que seus ataques a Gaza foram uma resposta ao lançamento de foguetes por parte do grupo islâmico Hamas, que controla o enclave litorâneo.

- O que foi aquilo se não genocídio? Os israelenses procuravam uma desculpa para exterminar os palestinos – disse Chávez, acrescentando que Israel deveria sofrer sanções.
Israel lançou uma ofensiva contra a Faixa de Gaza em 27 de dezembro de 2008, com o objetivo declarado de conter o lançamento de foguetes da região contra o sul de Israel.
Uma entidade israelense de direitos humanos disse nesta quarta-feira que mais de metade dos palestinos mortos na guerra de Gaza eram civis, o que contradiz as estatísticas militares de Israel, segundo a qual a maioria das vítimas era composta de militantes.
Em seu novo relatório, o B’Tselem disse que 1.387 palestinos morreram na guerra – sendo 773 civis, 330 combatentes, 248 policiais do Hamas e 36 pessoas que o grupo não conseguiu classificar como combatentes ou não-combatentes.
Chávez disse reconhecer o direito de Israel existir, assim como todos os países, mas acrescentou que o Estado judeu deve respeitar o direito do povo palestino de autodeterminação.
O presidente venezuelano afirmou desejar mais transparência dos Estados Unidos em sua política externa, colocando que estava decepcionado com as recentes medidas dos norte-americanos na América do Sul, incluindo o uso de bases militares na Colômbia.
- Infelizmente, a chegada de Obama trouxe consigo muita esperança, mas pouca mudança – opinou.
Fonte: O Globo

O FIM DA LIBERDADE RELIGIOSA NO BRASIL

Alerta gravíssimo: O Brasil está sob o sério risco de dar o último suspiro de liberdade religiosa
Enquanto muitos estão com a atenção voltada para o PLC 122/2006, por sua ameaça à liberdade religiosa e de expressão, os militantes da causa homossexual conseguiram, literalmente, passar a perna nos católicos e evangélicos no Congresso Nacional.
Dr. Zenóbio Fonseca, com a colaboração de Julio Severo
Atualmente estamos vivendo um momento de grande mobilização nacional contra a aprovação do PLC 122/2006 do Senado Federal, que trata da criminalização da homofobia. Esse projeto é essencialmente e inconstitucionalmente um atentado violento contra a liberdade de expressão religiosa dos evangélicos, católicos, judeus e muçulmanos.
O PLC 122/2006 enfrenta resistências jurídicas no Senado, apesar de todo apoio político do atual governo e seus aliados, pois foi tecnicamente mal elaborado, ferindo diversos princípios da constituição federal e do código penal. Entretanto, toda a militância gay e seus representantes políticos na Câmara dos Deputados e no Senado, com o total apoio do partido do governo, atuaram nos bastidores desta batalha legislativa para avançar a qualquer custo a criminalização da homofobia e criar uma grande mordaça gay, para que ninguém possa discordar e expressar opiniões contrárias ao homossexualismo.
Ficamos estarrecidos com o que está acontecendo em Brasília, no Senado e na Câmara Federal, pois agora já é hora avançada nesta madrugada do dia 07/08/08 e acabamos de tomar conhecimento da tramitação do PL 6418/2005 da Câmara Federal, que transforma em crime, entre outras coisas, o “preconceito por orientação sexual”. Na prática, esse novo projeto, que avançou sem que ninguém no Brasil fosse alertado antes, protegerá o homossexualismo em detrimento da liberdade de expressão e da liberdade religiosa.
O conteúdo do PL 6418/2005 é pior do que o PLC 122, pois esse projeto, que avançou sorrateiramente, é a junção de vários projetos do Congresso Nacional que tratam das discriminações por preconceito de raça, cor, etnia, religião ou origem. Como ocorreu a tramóia:
Em 2004 o Senador Paulo Paim (PT/RS) apresentou o PLS 309/2004, que tratava das diversas formas de discriminações e dava outras providências. Seu projeto tramitou no Senado sem maiores objeções e foi aprovado rapidamente, sendo encaminhado para a Câmara dos Deputados para tramitação e depois sanção presidencial.
Contudo, os ativistas pró-homossexualismo já estavam trabalhando nos bastidores, bem longe dos olhos de todos. Na Câmara dos Deputados, o projeto do Senador Paim recebeu o número de PL 6418/2005, e sua tramitação foi rapidíssima! Em pouco mais de 18 meses, o projeto estava pronto para ser aprovado na Comissão de mérito de Seguridade Social e Família, com parecer aprovado com substitutivo da Deputada Janete Rocha Pietá (PT-SP), em 02/05/2007. O projeto, até então, não incluía o termo orientação sexual e em nada feria a liberdade de expressão e religião. Aliás, a própria relatora garantiu em seu parecer:
“Por fim, não achamos oportuno incluir a discriminação por motivo de orientação sexual na proposta principal, por tratar-se de questão que está sendo melhor abordada e sistematizada em outras proposições em trâmite no Congresso Nacional.”
No entanto, vendo que o PLC 122/06, que tramita no Senado, está enfrentando fortes resistências, os ativistas e parlamentares pró-homossexualismo agiram de forma sigilosa para aprovar a criminalização da homofobia o mais rápido possível e da “melhor” forma jurídica e redacional. A estratégia deles foi simplesmente usar o projeto do Senador Paim.
A mesma relatora do PL 6418/2005 mudou o seu parecer oferecido em 02/05/07 e apresentou novo parecer, em11/07/2007, com profunda criminalização nas questões de orientação sexual, com repercussões gravíssimas para a liberdade de expressão religiosa no país.
Enquanto esse projeto camaleônico avançava como um escorpião, não houve nenhum tipo de divulgação na mídia secular ou através das assessorias parlamentares da Câmara dos Deputados.
Ficamos sabendo desse projeto há poucas horas, e sacrificamos nossa noite de sono para preparar este alerta necessário, por causa da urgência e gravidade da situação. O PL do Senador Paim, que agora é um dos piores projetos anti-homofobia do Brasil, terá sua votação decisiva na quarta-feira, dia 8 de agosto de 2007.
Temos dificuldade de entender como as assessorias dos parlamentares cristãos não divulgaram mais cedo tamanha ameaça. O PL do Senador Paim atende aos “interesses” políticos dos ativistas pró-homossexualismo e é um forte contra-ataque e represália à oposição que o povo vem fazendo ao infame PLC 122/06 do Senado Federal.
O assunto é grave e urgente, pois o substitutivo será votado na próxima quarta-feira dia 08/08/07. A única coisa que pode ser feita no momento é o pedido de vista do parecer na sessão da Comissão da Seguridade Social por algum deputado, mas tal fato representa a saída do projeto da pauta por apenas 2 sessões. Aí o projeto volta para votação e aprovação na comissão, só cabendo a apresentação de um voto em separado com novo parecer ao substitutivo. Melhor seria se fosse aprovada uma audiência pública para discussão da matéria, pois haveria mais tempo para divulgação e mobilização de todo povo cristão e seus representantes em Brasília.
Por isso, precisamos mobilizar a todos, pois os parlamentares cristãos da Câmara dos Deputados falharam em sua vigilância, da mesma forma que não vigiaram na aprovação do PL 5003/2001, que passou sem nenhuma dificuldade ou emenda.
Ainda há tempo para mudarmos este cenário sombrio, pois a exposição e publicidade dos atos legislativo nos dão esta opção.
Passaremos a rapidamente a comentar o teor do novo substitutivo apresentado ao PL 6418/2005, onde neste momento o importante é divulgarmos a situação e não esgotarmos a interpretação jurídica, pois estamos na madrugada do dia 07/08/08.
O SUBSTITUTIVO:
“Art. 1º Serão punidos, na forma desta Lei, os crimes resultantes de discriminação e preconceito de raça, cor, religião, orientação sexual, descendência ou origem nacional ou étnica. Parágrafo único: Para efeito desta Lei, entende-se por discriminação toda distinção, exclusão, restrição ou preferência baseada em raça, cor, religião, orientação sexual, descendência ou origem nacional ou étnica que tenha por objeto ou resultado anular ou restringir o reconhecimento, gozo ou exercício em igualdade de condições de direitos humanos e liberdades fundamentais nos campos político, econômico, social, cultural ou em qualquer outro campo da vida pública.”
Observe que no artigo 1º é inserida a tipificação penal da orientação sexual como crime de discriminação, sendo igualado as crimes de raça, etnias e religião. De igual forma, o parágrafo único deste artigo define a discriminação de maneira ampla unindo o seu conteúdo ao princípio da dignidade da pessoa humana e às liberdades fundamentais no campo político (discursos contrários ao homossexualismo), cultura (valores da sociedade), ou qualquer outro campo da vida pública (cria uma mordaça para as atividades públicas contrárias ao homossexualismo).
“Discriminação resultante de preconceito de raça, cor, religião, orientação sexual, descendência ou origem nacional ou étnica. Art. 2º. Negar, impedir, interromper, restringir ou dificultar por motivo de preconceito de raça, cor, religião, orientação sexual, descendência ou origem nacional ou étnica o reconhecimento, gozo ou exercício de direito assegurado a outra pessoa. Pena – reclusão, de um a três anos. § 1° No mesmo crime incorre quem pratica, difunde, induz ou incita a discriminação ou preconceito de raça, cor, religião, orientação sexual, descendência ou origem nacional ou étnica ou injuria alguém, ofendendo-lhe a dignidade e o decoro, com a utilização de elementos referentes à raça, cor, religião, orientação sexual, descendência ou origem nacional ou étnica.”
No artigo 2º aplica-se todo o conteúdo do PLC 122/2006 e aperfeiçoa-se a redação jurídica, pois o artigo possui um elemento subjetivo específico (por motivo de preconceito) e um objeto de ação objetivo (o gozo ou exercício de direito assegurado à outra pessoa). Esse artigo muito acentua a proteção de valores fundamentais assegurados pela Constituição Federal, porém a orientação sexual é introduzida no mesmo nível, fazendo com que esse novo direito seja respeitado não apenas pelo Estado, mas também por todas as pessoas, grupos e entidades particulares.
“ Discriminação no mercado de trabalho: Art. 3º Deixar de contratar alguém ou dificultar sua contratação por motivo de preconceito de raça, cor, religião, orientação sexual, descendência ou origem nacional ou étnica. § 2º Nas mesmas penas incorre quem, durante o contrato de trabalho ou relação funcional, discrimina alguém por motivo de preconceito de raça, cor, religião, orientação sexual, descendência ou origem nacional ou étnica. Pena – reclusão, de 2 (dois) a 5 (cinco) anos, e multa. § 2º Nas mesmas penas incorre quem, durante o contrato de trabalho ou relação funcional, discrimina alguém por motivo de preconceito de raça, cor, religião, orientação sexual, descendência ou origem nacional ou étnica.”
De modo muito parecido com o PLC 122/06, artigo 3º e seu § 2º do PL 6418/2005 tratam da questão da discriminação nas relações trabalhistas ou funcionais e, ao analisarmos também o artigo 1º e seu parágrafo único, verificamos a sua abrangência na incidência, tornando instável qualquer situação hipotética de pessoa que afirme estar sendo discriminada por sua orientação sexual e não problemas de ordem de qualificação profissional ou situação de confiança, etc. Em outras palavras, ficará bem fácil para um homossexual alegar discriminação ao ser despedido, restando pouca proteção aos empregadores.
“Associação criminosa: Art. 5º Associarem-se 3 (três) ou mais pessoas, sob denominação própria ou não, com o fim de cometer algum dos crimes previstos nesta Lei: Pena – reclusão, de 2 (dois) a 5 (cinco) anos. Parágrafo único. Nas mesmas penas incorre quem financia ou de qualquer modo presta assistência à associação criminosa.”
Esse artigo 5º inclui qualquer grupo de 3 (três) ou mais pessoas que discordem do homossexualismo e expressem opiniões, por exemplo, no campo político, econômico, social, cultural ou em qualquer outro campo da vida pública (parágrafo único do artigo 1º). Há também a hipótese de que se possa rotular de associação criminosa uma reunião de igreja evangélica ou católica onde se pregam valores contrários ao homossexualismo com base na Bíblica Sagrada, trazendo risco de prisão a todos os envolvidos.
“Art. 7º Os crimes previstos nesta Lei são inafiançáveis e imprescritíveis, na forma do art. 5º, XLII, da Constituição Federal.”
Esse artigo aumenta o rol de crimes não sujeitos o pagamento de fiança para a responder em liberdade ao processo criminal e declara que a sua pena jamais deixará de ser punível em razão do tempo do ato da conduta.
“Art. 9°. Nas hipóteses dos artigos 2º e 5º, o juiz pode determinar, ouvido o Ministério Público ou a pedido deste, ainda antes do inquérito policial, sob pena de desobediência: I – o recolhimento imediato ou a busca e apreensão dos exemplares do material respectivo; II – a cessação das respectivas transmissões radiofônicas ou televisivas; III – a suspensão das atividades da pessoa jurídica que servir de auxílio à associação criminosa.”
O artigo 9º, inciso I, confere poderes ao Magistrado. Verifica-se que, mesmo sem a instauração da investigação policial, um juiz poderá determinar, por exemplo: a retirada de um livro de conteúdo religioso que conta o testemunho de uma pessoa que deixou de vivenciar a homossexualidade para viver uma vida transformada. A autoridade poderá determinar o recolhimento das Bíblias ou as folhas em que falam contra o comportamento homossexual;
No Inciso II, pode-se determinar a retirada do ar das transmissões de rádio e de televisão de programas de cunho religioso onde sejam abordados temas contrários ao homossexualismo.
No inciso III, pode-se concluir hipoteticamente o fechamento de igrejas, associações de ajuda mútua na questão da saída do homossexualismo, seminários católicos e evangélicos e ONGs que em seu objeto discordem do homossexualismo.
Tal fato se dá em razão de as igreja estarem inseridas dentro do Código Civil brasileiro como pessoas jurídicas de direito privado, embora como entidades religiosas.
Assim não restam dúvidas de que o atual substitutivo apresentado nesse PL 6418/2005 é de conteúdo ameaçador idêntico ao conteúdo do PLC 122/06, embora sem os vícios jurídicos que impossibilitam sua aprovação.
Portanto, todos precisam agir com urgência, pois a sessão plenária será nas próximas 24 horas e, sendo aprovado, estará pronto para aprovação na Comissão de Justiça e depois no plenário da Câmara dos Deputados. Em seguida, o Senado apenas analisará as mudanças, restando a aprovação do Presidente Lula.
Atualmente, os ativistas pró-homossexualismo têm representantes em maioria na Câmara dos Deputados, mas o clamor de toda a população cristã irá mudar a história desta nação.
Divulgue esta mensagem a todos, em especial os parlamentares de sua base eleitoral.

sábado, 26 de setembro de 2009

MARTÍRIO DOS ANABATISTAS - Parte II

A VERDADE HISTÓRICA SOBRE A "TRAGÉDIA DE MÜNSTER"

Não poderíamos continuar a História dos Anabatistas sem nos referir ao episódio que ficou conhecido como “A Tragédia de Münster “ ou “O Reino de Münster.”  Foi a famosa Revolta dos Camponeses, na Alemanha, em 1524. É bem verdade que o estudioso e pesquisador de nossa época, que dispõe de todas as fontes documentais sobre os acontecimentos ante e pós idade média, não atribuirá aos Anabatistas, os desmandos que ocorreram na Renânia ( particularmente em Münster ).  Mas, infelizmente para os Anabatistas da época, os seus opositores aproveitaram-se da situação para culpá-los.  Vamos aos fatos: verdade seja dita que a reforma protestante, particularmente na Alemanha, revestiu-se de características nacionalistas.  O Feudalismo, sistema caótico implantado na Europa Medieval, por força das circunstâncias de desgoverno ( especialmente após a morte de Carlos Magno ) e do avanço dos bárbaros Vikings, aliado às conquistas muçulmanas, dividiu os países em províncias ou territórios, também denominados cantões ( como os cantões suiços, por exemplo ).  A Alemanha estava esfacelada e até o idioma alemão puro era quase desconhecido nalguns cantões.  A preservação da cultura e das tradições dependia, quase sempre, dos mosteiros, conventos e abadias.

            Particularmente a Saxônia, cujo chefe político-militar Frederico era amigo e defensor de Martinho Lutero, teve participação vital no movimento reformista.  Não fosse o apoio de Frederico, Lutero teria sido morto pelas tropas do papa Leão X, ao retornar da Dieta de Worms, onde foi julgado perante os maiores teólogos romanistas.  Apesar de não ter sido condenado ( e ter um salvo-conduto ), cavaleiros encapuzados o esperavam na estrada para Wittemberg, com o objetivo de raptá-lo e matá-lo.  Mas Frederico também enviou seus cavaleiros ( também encapuzados ) e estes raptaram Martinho Lutero e o levaram à salvo para um dos castelos de Frederico, na Saxônia.  É a esse castelo que Martinho Lutero alude, em seu famoso hino " Castelo Forte."  Nesse castelo, pelo espaço de 2 anos, Lutero traduziu a Bíblia para o alemão.  Não porém o alemão corrompido ( pela      " linguagem de hoje " daquele tempo ), mas o alemão puro e castiço, o alemão clássico, fator de união dos cantões numa só e grande Alemanha, uma das maiores forças da Europa e do mundo.  Se hoje a Alemanha fala um único idioma, deve isso a Martinho Lutero.  Se a Alemanha é hoje uma das maiores potências mundiais, deve render tributo à reforma protestante.  Os alemães tiveram que reestudar o alemão, pois tinham sede de ler a Bíblia em seu próprio idioma.  Aprenderam muito mais que o idioma: descobriram a liberdade e a nacionalidade.  

  Era o início do fim do Feudalismo.  E  toda a Europa seguiria o exemplo alemão, cada qual dos países procurando a sua própria identificação.  Até mesmo os conquistadores Vikings nacionalizaram-se em seus territórios conquistados e lentamente se formariam a Tchecoslováquia, Suécia, Dinamarca e demais nações da média e baixa Europa.  Mas era difícil, para os antigos senhores feudais, abandonarem os territórios onde dantes viviam como reis, explorando o povo.  Até mesmo bispos católico-romanos eram senhores em vários feudos, na Alemanha e na Espanha.  E tinham o apoio de reis e imperadores. 

            A Renânia ( na Alemanha ) era também dividida em Feudos.  E a região, cujo centro era Münster, tinha como senhor feudal um bispo católico-romano.  Mas o próprio povo, de origem camponesa, estava farto das explorações do bispo.  Organizaram uma grande revolta, conhecida na História como " A Revolta dos Camponeses " e conseguiram expulsar o bispo e suas tropas, declarando Münster um território livre e independente.  Formou-se um govêrno emergencial e Bernardo Rothmann, pregador luterano, assumiu o controle da situação.  Propagou-se a notícia: Münster era livre e tinha como líder um reformista luterano.  Breve, Münster se tornaria refúgio para Anabatistas e dissidentes  do romanismo, fartos de perseguições e sofrimentos.  Todos os que para lá seguiriam em busca de refúgio e liberdade, porém, sem saber seriam cercados numa armadilha mortal e sem saída.  Münster estava destinada a ser o palco de um hediondo massacre

            Mas retornemos um pouco na História, para encontrarmos as personagens centrais desse drama de horror, que pouco a pouco comporiam o elenco dessa tragédia.  O nome mais destacado é o de Melquior Hofmann, considerado o mentor espiritual do Reino de Münster, por ter sido o disseminador do advento da Nova Jerusalém na Alemanha. Pouco se sabe de sua vida anterior à sua adesão ao Luteranismo, quando tinha cerca de 30 anos, a não ser que nascera na Suábia, em 1495.  Tornou-se tão ardoroso defensor das idéias de Lutero que passou a exercer as funções de pregador por conta própria, a princípio tendo o apoio e simpatia do reformador.  Teve grande aceitação na Suécia, Dinamarca, Holanda e ao norte da Alemanha.  Seus sermões escatológicos e suas conclusões estapafúrdias e confusas, logo atrairiam a ira do próprio Lutero.  Quando Melquior Hofmann tentou assumir permanentemente o púlpito de uma Igreja na Dinamarca, Lutero se opôs e afirmou que Hofmann não tinha competência e nem vocação divina para pregar.  O próprio rei da Dinamarca, Frederico X, expulsou-o do país, por não concordar com a sua pregação escatológica.  Decepcionado, Melquior Hofmann abandonou os luteranos e entrou em contato com os Anabatistas, em Estrasburgo ( Alemanha ) e por eles foi recebido e batizado, em 23 de abril de 1530.  Foi de curtíssima duração o seu tempo entre os Anabatistas, pois eles também rejeitaram as suas interpretações proféticas e não apoiaram as suas idéias de uma Nova Jerusalém alemã.  Que esse registro histórico fique bem claro na mente de cada um:  os anabatistas alemães não apoiaram as idéias de Hofmann!!!

            Deixando os Anabatistas, Hofmann saiu da Alemanha e foi para a Holanda, onde conheceu aquele que seria o líder dos amotinados de Münster: Jan Mathys, a quem batizou e foi o seu mais destacado discípulo.  Logo, Jan Mathys destacou-se em várias atividades "evangelísticas " e cresceu em liderança.  Apesar de serem unidos pelas mesmas heresias, não foi possível continuarem juntos e houve um inevitável rompimento entre eles.  Jan Mathys enviou vários de seus discípulos a pregar e batizar, enquanto Melquior Hofmann percorria outras regiões da Holanda, anunciando a vinda de Jesus e predizendo a instalação da Nova Jerusalém na Alemanha.  Estava ele em suas atividades, quando recebeu a visita de um colega que se dizia profeta, portador de um recado profético especial.  A " profecia " dizia que ele, Hofmann, deveria voltar para Estrasburgo, onde seria preso por seis meses.  Ao findar esse tempo, Jesus Cristo voltaria e Hofmann seria libertado, liderando os Anabatistas em procissão vitoriosa através do mundo. 

Continuação em outra postagem.....