sábado, 31 de outubro de 2009




MV-Brasil cola 400 cartazes em 80 bairros do Rio.
Halloween é satanismo, Brasil país Cristão!
"Todo Reino (ou povo)* dividido não subsistirá e será destruído."
(Jesus Cristo)

Mateus, 12:25


O Brasil, sendo o país de "raça cósmica" (1) e estando fadado a se tornar a Grande Civilização do 3º milênio, é um pouco da cultura de todos os povos, que docemente se fundiu e numa dança harmônica criou uma nova cultura avançada e riquíssima, cunhada por um povo talentoso, que, uma vez liberto das amarras da escravidão cultural e financeira,construirá aqui, o que de melhor pode-se produzir em todos os ramos das artes, dos esportes e da ciência e tecnologia.
Os "mercadores apátridas" (2), de aspirações malignas sabem disso e farão o que puderem para evitar o progresso da grande Nação Brasileira Cristã, lançando em nosso território, por exemplo, suas seitas satânicas disfarçadas de manifestações culturais, como esse tal de "halloween", que é um estelionato cultural que celebra a morte, as drogas, a sodomia, a promiscuidade sexual, a violência e os sacrifícios ritualísticos.
Os difusores desses valores lucíferos são os mesmos que entregaram Jesus aos Romanos, porque Ele já combatia, com sua militância divina e implacável, os adoradores do bezerro de ouro, vendilhões do Templo e da Pátria, defensores dos juros extorsivos que inviabiliza os serviços prestados pelo Estado e que suga o sangue do povo (cuidado também, com os falsos cristãos que exploram os já sacrificados dizimistas para viver no luxo e na luxúria e para financiar assinagogas de satanás, supostos Templos Cristãos).
A mensagem revolucionária, social e amorosa do Cristo político, que mais afetou e que afeta os satanistas globais é a de que “não existe iluminados e nem povo escolhido, mas que todo ser humano é igualmente fruto da mesma Centelha Divina”.
Todavia, um reduzido número de clãs (ou famílias) internacionais que se consideram “os escolhidos”, e que também contam com o apoio de alguns falsos brasileiros, se movimentam para propagar uma Nova Ordem Mundial, tão repetida pelos Bush, que se revela, gradualmente, baseada nos valores satânicos, conhecida também por globalização. Esses valores são difundidos, principalmente, em filmes, músicas, comerciais, jogos e produtos dos Estados Unidos.                  
 É dever de todos nós rejeitá-los, até por uma questão de sobrevivência. Não podemos mais suportar tantas concessões subversivas em nossa cultura, em nosso belo idioma nacional, como também não suportamos mais, absurdas concessões econômicas às corporações transnacionais, que se afogam em champanha e se atolam em caviar às nossas custas.
A defesa de nossos valores culturais nos levará a uma grande cruzada de libertação nacional, que nos trará a totalindependência tecnológica, econômica e política. Enquanto temos milhões de descendentes de portugueses, africanos, italianos, espanhóis, alemães, asiáticos e indígenas, o nosso número de descendentes de ingleses e estadunidenses é desprezível. Por que então importamos essas manifestações culturais que nada tem a ver conosco? Jamais devemos esquecer que  o Folclore Brasileiro é um dos mais ricos do mundo. O intercâmbio cultural respeitoso e simétrico com todas as nações do planeta deve ser apreciado e assimilado pelos verdadeiros patriotas humanitários do Brasil, mas devemos rejeitar a cultura supercifial que imbecilizou o povo dos Estados Unidos, vítima inconsciente da quadrilha milenar que objetiva por meio de uma padronização cultural, nivelada por baixo, a decretação da falência da moral, da família e, ainda em vida, das funções encefálicas das populações das mais variadas nações da Terra. E o grande desafio dos patriotas do Brasil e de todos os países será o de impedir que o mundo caia refém desses destruidores de nacionalidades e que as nações se desfaçam (3), por isso, exaltemos a cultura e os valores nacionais!!!


(*) O parêntese do texto é nosso.
(1) Darcy Ribeiro.
(2) Armindo de Abreu.
(3) "... impedir que o mundo e as nações se desfaçam", Visconde de Caiurú.



Rio de Janeiro, Outubro de 2007.


Conselho dos 12 do MV-Brasil


Postado por: Sérgio Aparecido Dias



quinta-feira, 29 de outubro de 2009

UM JUIZ PAGANDO MICO

Recebi em meu E-mail essa interessante e hilária notícia, vinda lá das "Gerais", mandada por minha filha, Ester Dias Amaro (que eu chamo carinhosamente de "Tekinha"). Resolvi postá-la aqui, na íntegra, nos versos de pé quebrado do Meritíssimo togado. Aproveitei para responder ao Meretrício, digo, ao Meritíssimo, da mesma forma, em versos. Porém, não quebrados! 


SENTENÇA INUSITADA
Sentença inusitada de um juiz, poeta e realista.

Esta aconteceu em Minas Gerais (Carmo da Cachoeira).  O juiz Ronaldo Tovani, 31 anos, substituto da comarca de Varginha, ex-promotor de justiça, concedeu liberdade provisória  a um sujeito preso em flagrante por ter furtado duas galinhas e ter perguntado ao delegado: "desde quando furto é crime neste Brasil de bandidos?" 

O magistrado lavrou então sua sentença em versos:

No dia cinco de outubro, do ano ainda fluente
Em Carmo da Cachoeira, terra de boa gente
Ocorreu um fato inédito que me deixou descontente.
O jovem Alceu da Costa, conhecido por "Rolinha"
Aproveitando a madrugada, resolveu sair da linha
Subtraindo de outrem duas saborosas galinhas.
Apanhando um saco plástico que ali mesmo encontrou
O agente muito esperto escondeu o que furtou
Deixando o local do crime da maneira como entrou.

O senhor Gabriel Osório, homem de muito tato
Notando que havia sido a vítima do grave ato
Procurou a autoridade para relatar-lhe o fato.  
Ante a notícia do crime, a polícia diligente
Tomou as dores de Osório e formou seu contingente
Um cabo e dois soldados e quem sabe até um tenente.
Assim é que o aparato da Polícia Militar
Atendendo a ordem expressa do Delegado titular
Não pensou em outra coisa, senão em capturar.

E depois de algum trabalho, o larápio foi encontrado
Num bar foi capturado;  não esboçou reação
Sendo conduzido então à frente do Delegado.
Perguntado pelo furto que havia cometido
Respondeu Alceu da Costa bastante extrovertido
Desde quando furto é crime neste Brasil de bandidos?
Ante tão forte argumento, calou-se o delegado
Mas por dever do seu cargo, o flagrante foi lavrado
Recolhendo à cadeia aquele pobre coitado. 

E hoje passado um mês de ocorrida a prisão
Chega-me às mãos o inquérito que me parte o coração
Solto ou deixo preso esse mísero ladrão?
Soltá-lo é decisão que a nossa lei refuta
Pois todos sabem que a lei é prá pobre, preto e puta...
Por isso peço a Deus que norteie minha conduta.

É muito justa a lição do pai destas Alterosas.
Não deve ficar na prisão quem furtou duas penosas,
Se lá também não estão presos pessoas bem mais charmosas.
Afinal não é tão grave aquilo que Alceu fez
Pois nunca foi do governo, nem seqüestrou o Martinez
E muito menos do gás participou alguma vez.
Desta forma é que concedo a esse homem da simplória
Com base no CPP, liberdade provisória
Para que volte para casa e passe a viver na glória.

Se virar homem honesto e sair dessa sua trilha
Permaneça em Cachoeira ao lado de sua família
Devendo, se ao contrário, mudar-se para Brasília!!!

 ...e agora, A MINHA RESPOSTA!



A INUSITADA SENTENÇA

           Por: Sérgio Aparecido Dias

Pois é querida Tekinha, foi pra lá de inusitada
A sentença esquisita, pelo juiz decretada
Concedendo liberdade, como se não houvera nada
Mesmo sendo esse larápio mero ladrão de galinha
Não é o caso da justiça sair de cima da linha
E conceder liberdade a quem direito não tinha!
Uma, duas, três penosas, qual seria a quantidade
Que pudesse surrupiar sem perder a liberdade?
Ou será o que ele disse a expressão da verdade?

Não creio seja correto tomar a iniciativa
De cometer injustiça por conta da evasiva
Dos que, descumprindo regras, tornam a lei inativa
Pois mesmo que lá de cima, das camadas superiores
Não venha justiça plena que alivie nossas dores
Todavia não podemos nos tornar inferiores

Façamos a nossa parte, cumpramos nossos deveres
Pois espera-se que todos revelem bons procederes
Vendo na honra e decência, bons tesouros, bons haveres!
Claro que foi divertido ver o juiz enrolado
Que tomou o argumento como fato consumado
E lavrou sua sentença, pagando um mico danado

O ladrão dos galináceos foi um bom advogado
Defendeu a sua causa e humilhou o Estado
Tendo até a conivência de um jurista togado
Porque houve concordância com o roubo praticado
Dando-lhe ganho de causa contrariando o delegado
Que o havia prendido, Mas soltou-o o magistrado

Mesmo assim foi engraçado que se deu o acontecido
Pois nas barras da justiça, muito mais já tem havido
De muitos que dela escapam, sem que alguém seja punido
No Brasil sempre acontecem casos dessa natureza
Porém eu devo dizer-lhe, falar com toda franqueza
Justiça de Deus não falha, isso afirmo com certeza!


                               F I M

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

NÃO VOU COMENTAR SOBRE A VISITA DO MAHMOUD AHMADINEJAD AO BRASIL!!!

Crônica de: Sérgio Aparecido Dias
(...e de quem mais poderia ser?!?)

O Mahmoud  vem aí. E foi o próprio Presidente  Bula, digo, Lula, quem o convidou.  O cabra vem lá “das arábias” (na verdade ele vem do Irã, onde é “presidente”) cheirar não sei o quê por aqui!  Olha...já comentei tanto contra o Mahmoud, que hoje resolví não comentar sobre a sua "visita". Aliás (antes de encerrar esse comentário que, como já disse, NÃO É UM COMENTÁRIO, apenas uma pequena nota!), gostaria de perguntar o real motivo do raio dessa visita. Será que ele deseja comprar farinha de mandioca? Ou provar acarajé (espero que com bastante pimenta malagueta!!!)? Estará ele ansioso por degustar uma deliciosa costeleta de cabrito na brasa, ou carneiro ao forno?

Sua intenção será fazer um pequeno turismo pelas costas brasileiras e se encantar com as praias de Ipanema e Leblon? Ou então, fingir que está admirando a AREIA da praia de Copacabana (lógico que ele irá pro Rio, que ninguém é de ferro!), e aproveitar para dar uma espiadinha nas bundas, digo, nas nádegas das garotas? Afinal, lá na terra dos idiotalás, as mulheres são tratadas como animais perigosíssimos e são obrigadas a cobrirem o corpo com "trocentas" e tantas peças de pano! Quando aparece um tornozelinho safado, os aiatolinhos tremem nas bases, ficam excitados e berram impropérios contra os Estados Unidos e o mundo livre. Não fomos nós que levantamos a panarada para mostrar o tornozelo atrevido, mas sempre seremos os culpados!

Aí, como estamos muito longe e espalhados, eles resolvem jogar um míssil em Israel, que está bem alí ao lado.

E agora ele vem pra cá! Fazer o quê, pergunto eu!?!

Se eu estivesse comentando (E NÃO ESTOU!) a sua "visita", eu diria pra ele ir pro raio que o parta, não tem nada pra ele aqui não!!! Mas não estou comentando nada, por isso não digo tal coisa. Poderia também alegar que o verdadeiro motivo de sua vinda para o Brasil é o interesse pela nossa tecnologia de uso de energia nuclear.

Mas se disser isso, sempre aparecerá um engraçadinho para encher o saco:
"mas você não disse que não estava comentando?"

Ou será que ele pretende vender camelos para os nordestinos? Talvez fosse uma boa. Ou talvez não, pois eles podem ficar muitos dias sem beber água, mas precisam comer. E grama e capim não estão sobrando por lá! O que eu acho (ou ACHARIA , se estivesse comentando) é que ele pretende fortalecer as bases terroristas da América do Sul e dar um abraço em seu "compadre" Hugo. Ele já se abraçou com o "compadre" Lula, talvez tenham até se beijado!

Vai haver festa da grossa no Alvorada e no Itamaratí, regada a champ...ah, não, champagne não, porque o Mahmoud não bebe água de fogo! O pobre do Lula vai ter que agüentar água mineral, suco de frutas e refrigerante, mesmo! Pelo menos para isso servirá a visita do Ahmadinejad: evitar que nossos representantes tomem um porre e dêem o maior vexame!


Acredito ser esse o único fator positivo da visita do Mahmoud. Ou melhor, ACREDITARIA, porque, como todos já sabem, esse não é um comentário, apenas uma pequena nota de repúdio!!!

F. I. M.
(Finalmente Impugnei o Mahmoud)

CONVITE A UMA SÉRIA REFLEXÃO E, QUEM SABE, TOMADA DE POSIÇÃO!

POSTADA POR: Pr. Sérgio Aparecido Dias

Prezados leitores: encontrei essa espécie de manifesto e, ao mesmo tempo desafio, no Site do Pr. Caio Fábio D'Araújo Filho. É como se fosse uma reedição das 95 teses de Lutero, porém, visando a Igreja do Século XXI. Leiam, reflitam e tirem o maior proveito. E divulguem.  Servirá para abrir as mentes e mobilizar uma tomada de posição quanto a tudo quanto estamos presenciando de descaminhos da atual "cristandade".

MOVIMENTO PELA REGENERAÇÃO DA IGREJA NA HISTÓRIA

Nos dias da Reforma Protestante, 95 foram as teses. Hoje a tese é uma só: Se tudo é Graça de Deus, então, não há barganhas a serem nem propostas e nem aceitas, jamais.
Portanto, eis como segue:

1.    Há um só Deus, que se revelou como Pai, Filho e Espírito Santo; sendo, no entanto, um só Deus; e tal realidade divina pode ser por nós apenas crida, mas jamais entendida. Ora, sem fé é impossível agradar a Deus!
2.    Tudo e todos os que existem foram criados por Deus e para Deus; e Deus ama a todas as Suas criaturas e criações; posto que sendo amor a natureza de Deus, tudo o que Ele criou por amor o criou.
3.    Deus é Amor; portanto, Deus é Graça; visto que somente no Amor há Graça; sendo também esta a razão de Deus haver feito o Sacrifício Eterno pela Sua criação e todas as Suas criaturas, antes mesmo de criar qualquer coisa; posto que o Cordeiro Eterno de Deus, que é também o Filho, entregou-se como Redenção e Remissão de pecados antes que qualquer coisa, ente, criatura ou dimensão tivessem sido criadas.
4.    As transgressões que houve e há na criação, não demandaram de Deus um “improviso”, um remendo; posto que a Graça do amor de Deus revelado aos homens não seja um improviso, mas a consecução do amor que já se dispusera a tudo por amor à criação antes de haver mundo.
5.    Deus é amor, é, portanto, Pessoa; pois não há amor sem pessoalidade. Por isto ao criar seres capazes da pessoalidade, Deus chamava a Sua criação a um vinculo de relacionalidade com Ele, em amor, verdade e graça.
6.    Sendo Deus Eterno e Infinito, e o homem mortal e finito, não há meios de o homem ou qualquer criatura discernirem Quem Deus é a menos que Deus faça revelação de Si mesmo.
7.    Portanto, tudo quanto de Deus possa ser sabido nos vem exclusivamente por revelação; seja a revelação Dele mediante a Natureza das coisas criadas, seja pela iluminação da consciência, seja pelas Escrituras que decorreram da fé de Abraão, seja pela ciência como apreensão da revelação livre que Deus faz de Si mesmo.
8.    A Palavra de Deus, portanto, se manifesta de muitos modos; entretanto, uma só é a Palavra; e toda a sua revelação está manifesta em Jesus, que é o Verbo Eterno, a Palavra antes de qualquer Natureza, Consciência, Ciência ou Escritura; posto que somente em Jesus seja possível discernir Deus em Sua plenitude de revelação aos homens. Afinal, Jesus disse: “Quem me vê a mim, vê o Pai” [...] “Eu e o Pai somos Um”.
9.    Sendo Deus Eterno e totalmente transcendente ao homem, tudo o que Dele nos venha é Graça; e sem Graça, favor divino em todas as coisas, nada pode ser por nós apreendido como bem eterno em razão de nossa incapacidade de discernir o Eterno e Infinito, especialmente quanto a aprender a Sua vontade.
10.                       Além disso, pela mesma razão, somente se pode manter relação com Deus mediante a fé, posto que a fé se abra para todas as coisas, visíveis e invisíveis; e mais: somente a fé não conhece impossível; portanto, somente pela fé se pode manter vinculo com Aquele está para além de toda compreensão.
11.                       Ora, sendo Jesus o Cordeiro Eterno de Deus que se manifestou na História, o fez no mesmo espírito da Graça Eterna, a mesma concedida à criação e às criaturas antes que houvesse mundo. Por isto Jesus não é o Deus dos cristãos, nem de qualquer grupo humano, nem o fundador do Cristianismo, nem o Deus dos crentes que assim se confessem apenas pela filiação a uma agremiação religiosa... Antes pelo contrário, Ele é a verdadeira Luz que vinda ao mundo ilumina a todos os homens; posto que Jesus tenha sido apresentado a nós como pertencendo a uma Ordem Sacerdotal Superior, não religiosa, não humana, e que é descrita como sendo a Ordem de Melquizedeque, na qual todos os seres humanos, sabendo ou não de tamanha Graça a eles disponível em Cristo, nela estão incluídos por uma decisão unilateral do amor de Deus; posto que Deus estivesse em Cristo reconciliando consigo mesmo o mundo.
12.                       Desse modo, tudo quanto concerne ao homem como necessidade, surge de Deus como solução do amor na Graça; a saber: arrependimento, fé, salvação, redenção, perdão, justificação, alegria, santificação e esperança eterna. Assim, não há nada que seja essencial ao homem que seja provisão do homem para o homem; pelo contrário, tudo provém de Deus.
13.                       Por esta razão o povo de Deus é o Povo da Graça; pois, quem quer que esteja em Deus só o está em razão de ter sido incluído gratuitamente em tão grande salvação.
14.                       Além disso, esse Povo de Deus é chamado a tornar-se seguidor de Deus nos passos de Jesus; e, por isto, só é Povo de Deus [e, portanto, Igreja], aquele que se entregar a Deus apenas crendo que no Cordeiro Eterno, Cristo Jesus,Tudo Está Consumado; não restando ao homem nada a fazer a fim de completar o que já estava Feito antes de haver mundo.
15.                       É porque o Evangelho é assim, e porque Jesus assim ensina, e, além disso, por ter sido apenas este o Fundamento Apostólico sobre o qual a revelação da Nova Aliança se deu, é que afirmamos com temor e santo temor que:
15.1.    O que se fez nesses 1700 anos de História Cristã Romana, da qual a própria Reforma Protestante não deixou de ser herdeira, rompendo com muitas coisas, mas não com todas, tornando-se assim, de certa forma, apenas uma Re-forma, mas não uma Revolução de sentidos, conteúdos, e, sobretudo, de simplificação não de formas, mas de espírito — é ainda algo totalmente insatisfatório; posto que seja ainda um reformar, mas não uma ruptura de conteúdos, de dogmas, de doutrinas humanas, de lógicas mundanas, todas elas criadas pelo Pai do Cristianismo e seus auxiliares históricos: o Imperador Constantino.
15.2.       Que o que provocou a Reforma nos dias dos Reformadores do Século XVI, tornou-se algo revivido com ênfases e disfarces de maldade ainda maior entre nós, hoje; posto que agora tudo seja feito com máscaras do “nome de Jesus”, porém, com modos que fazem as vendas de Indulgências que deram pavio ao fogo da Reforma, tornarem-se temas inocentes de presépio infantil.
15.3.         Que as barganhas, as negociatas, as campanhas de exploração da credulidade do povo, o uso perverso da Bíblia, o espírito de troca e comercio, as maldições e ameaças pronunciadas “em nome de Jesus”, os novos apóstolos do dinheiro e da prosperidade, o desenfreado comercio da fé como produto, a utilização de todos as formas de manipulação e engano, as inegáveis manifestações de ações criminosas em nome da fé, o uso político da igreja e do nome de Jesus, e tudo quanto entre nós hoje se define como “igreja” e sua prática histórica, não mais é que um estelionato sem tamanho e medida, e que faz a Igreja Católica do Século XVI uma entidade de bruxos aprendizes daqueles que entre nós hoje são pastores, bispos, apóstolos e candidatos diabólicos à divindade.
15.4.    Que não é mais possível usar termos como “evangélico”, que deveria significar “aquilo que carrega a qualidade do Evangelho”, nem termos como “Igreja”, que deveria apenas ser a assembléia dos crentes no Jesus dos Evangelhos — posto que “evangélico” tenha se tornado aquilo que no Evangelho é descrito como sendo anti-evangélico, e “Igreja” tenha se tornado aquilo que no Evangelho é apenas uma multidão perdida e sem pastor, tamanho é o descaminho dos seus guias e condutores do engano.
15.5.      Que não é mais possível conviver passivamente com tamanho engano blasfemo, sob pena de nos tornarmos indesculpáveis diante de Deus, desta geração, e das que ainda virão.
15.6.    Que hoje se ouve a Voz de Deus, dizendo como fez antes muitas vezes, e no futuro ainda voltará a dizer: “Sai do meio dela, ó povo meu!” Sim, pois “o Senhor conhece os que Lhe pertencem”; e deseja separar Seu Povo do convívio perverso não no “mundo”, mas, sobretudo, no “ambiente chamado ‘igreja’”; posto que, pelaanuência silenciosa, estamos corroborando o engano para aqueles que não sabem discernir entre a mão direita e a esquerda.
15.7.    Portanto, convidamos a todo aquele que ainda crê em Jesus segundo a pureza do Evangelho, que assuma hoje, e para sempre, uma total ruptura com tudo aquilo que se disfarça sob o nome de Jesus, mas que nada mais é do que manifestação do engano, até que chegue o Dia quando todo “Senhor, Senhor” que não teve correspondência de obediência ao Evangelho, de Jesus ouvirá o terrível “Nunca vos conheci. Apartai-vos de mim todos vós que praticais a iniqüidade”.
15.8.    Aqui, sem alarde, com total sinceridade no Evangelho, convidamos você a abraçar a busca da Regeneração; pois, o que a “igreja” precisa a fim de se tornar Igreja, segundo Jesus, é de Regeneração, de conversão, de arrependimento e de iluminação do Evangelho na Graça de Deus.
15.9.    Portanto, não temos barganhas a fazer com tudo aquilo que, mesmo sendo anunciado “em nome de Jesus”, nada tenha de Jesus e do Evangelho; e assim fazemos porque temos certeza de que seremos cobrados por Deus se nos mantivermos alheios, silenciosos, perversamente educados no nosso assistir da mentira na sua prevalência histórica contra a verdade e a simplicidade do Evangelho.
15.10.                     Estas são as teses puras e simples deste momento/tempo deBusca de Regeneração de nós mesmos no Evangelho. Quem diz amém ao Evangelho de Jesus, esse não temerá viver todas as implicações dessa decisão proposta não como Reforma, mas como Regeneração.



Nele, que nos chama a servi-Lo hoje, nesta geração, pois a ela estamos endividados pelo conhecimento da Verdade em Jesus,


Caio Fábio D’Araújo Filho
E quem mais assinar antes ou depois de minha assinatura...
21 de outubro de 2009
Lago Norte
Brasília
DF  

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

O NATAL DO PAGANISMO

O NATAL VEIO DO PAGANISMO.
PROVAS NA HISTÓRIA E NA BÍBLIA.
(Hélio de M. Silva, João Pessoa, dez/1999, baseado em autor desconhecido)

Postado por: Pr. Sérgio Aparecido Dias

Enciclopédia Católica (edição de 1911): "A festa do Natal não estava incluída entre as primeiras festividades da Igreja... os primeiros indícios dela são provenientes do Egito... os costumes pagãos relacionados com o princípio do ano se concentravam na festa do Natal".
Orígenes, um dos chamados pais da Igreja (ver mesma enciclopédia acima): "... não vemos nas Escrituras ninguém que haja celebrado uma festa ou celebrado um grande banquete no dia do seu natalício. Somente os pecadores (como Faraó e Herodes) celebraram com grande regozijo o dia em que nasceram neste mundo".
Autoridades históricas demonstram que, durante os primeiros 3 séculos da nossa era, os cristãos não celebraram o Natal. Esta festa só começou a ser introduzida após o início da formação daquele sistema que hoje é conhecido como Igreja Romana (isto é, no século 4o). Somente no século 5o foi oficialmente ordenado que o Natal fosse observado para sempre, como festa cristã, no mesmo dia da secular festividade romana em honra ao nascimento do deus Sol, já que não se conhecia a data exata do nascimento de Cristo.
Se fosse da vontade de Deus que guardássemos e celebrássemos o aniversário do NASCIMENTO de Jesus Cristo, Ele não haveria ocultado sua data exata, nem nos deixaria sem nenhuma menção a esta comemoração, em toda a Bíblia. Ao invés de envolvermo-nos numa festa de origem não encontrada na Bíblia mas somente no paganismo, somos ordenados a adorar Deus, a relembrar biblicamente a MORTE do nosso Salvador, e pregar biblicamente esta MORTE e seu significado.
1. JESUS NÃO NASCEU EM 25 DE DEZEMBRO
Quando Ele nasceu "... havia naquela mesma comarca pastores que estavam no campo, e guardavam, durante as vigílias da noite, o seu rebanho."  (Lucas 2:8). Isto jamais pôde acontecer na Judéia durante o mês de dezembro: os pastores tiravam seus rebanhos dos campos em meados de outubro e [ainda mais à noite] os abrigavam para protegê-los do inverno que se aproximava, tempo frio e de muitas chuvas (Adam Clark Commentary, vol. 5, página 370). A Bíblia mesmo prova, em Cant 2:11 e Esd 10:9,13, que o inverno era época de chuvas, o que tornava impossível a permanência dos pastores com seus rebanhos durante as frígidas noite, no campo. É também pouco provável que um recenseamento fosse convocado para a época de chuvas e frio (Lucas 2:1).
2. COMO ESTA FESTA SE INTRODUZIU NAS IGREJAS?
 The New Schaff-Herzog Encyclopedia of Religious Knowledge (A Nova Enciclopédia de Conhecimento Religioso, de Schaff-Herzog) explica claramente em seu artigo sobre o Natal:
"Não se pode determinar com precisão até que ponto a data desta festividade teve origem na pagã Brumália (25 de dezembro), que seguia a Saturnália (17 a 24 de dezembro) e comemorava o nascimento do deus sol, no dia mais curto do ano.
As festividades pagãs de Saturnália e Brumália estavam demasiadamente arraigadas nos costumes populares para serem suprimidos pela influência cristã. Essas festas agradavam tanto que os cristãos viram com simpatia uma desculpa para continuar celebrando-as sem maiores mudanças no espírito e na forma de sua observância. Pregadores cristãos do ocidente e do oriente próximo protestaram contra a frivlidade indecorosa com que se celebrava o nascimento

de Cristo, enquanto os cristãos da Mesopotâmia acusavam a seus irmãos ocidentais de idolatria e de culto ao sol por aceitar como cristã essa festividade pagã.
Recordemos que o mundo romano havia sido pagão. Antes do século 4o os cristãos eram poucos, embora estivessem aumentando em número, e eram perseguidos pelo governo e pelos pagãos. Porém, com a vinda do imperador Constantino (no século 4o) que se declarou cristão, elevando o cristianismo a um nível de igualdade com o paganismo, o mundo romano começou a aceitar este cristianismo popularizado e os novos adeptos somaram a centenas de milhares.
Tenhamos em conta que esta gente havia sido educada nos costumes pagãos, sendo o principal aquela festa idólatra de 25 de dezembro. Era uma festa de alegria [carnal] muito especial. Agradava ao povo! Não queriam suprimí-la."
O artigo já citado da "The New Schaff-Herzog Encuyclopedia of Religious Knowledge" explica como o reconhecimento do dia de domingo (dia em que antes os pagãos adoravam o sol) por parte de Constantino, e como a influência do maniqueísmo (que identificava o Filho de Deus com o sol) deram motivo aos pagãos do século 4o, agora convertidos em massa ao cristianismo, para adaptarem a sua festa do dia 25 de dezembro (dia do nascimento do deus sol), dando-lhe o título de dia do nascimento do Filho de Deus.
Assim foi como o Natal se introduziu em nosso mundo ocidental! Ainda que tenha outro nome, continua sendo, em espírito, a festa pagã de culto ao sol. Apenas mudou o nome. Podemos chamar de leão a uma lebre, mas por isto ela não deixará de ser lebre.
A Enciclopédia Britânica diz:
"A partir do ano 354 alguns latinos puderam mudar de 6 de janeiro para 25 de dezembro a festa que até então era chamada de Mitraica, o aniversário do invencível sol... os sírios e os armênios idólatras e adoradores do sol, apegando-se à data de 6 de janeiro, acusavam os romanos, sustentando que a festa de 25 de dezembro havia sido inventada pelos discípulos de Cerinto."
3. A VERDADEIRA ORIGEM DO NATAL
O Natal é uma das principais tradições do sistema corrupto chamado Babilônia, fundado por Nimrode, neto de Cam, filho de Noé. O nome Nimrode se deriva da palavra "marad", que significa "rebelar". Nimrode foi poderoso caçador CONTRA Deus (Gn 10:9). Para combater a ordem de espalhar-se: criou a instituição de ajuntamentos (cidades); construiu a torre de Babel (a Babilônia original) como um quádruplo desafio a Deus (ajuntamento, tocar aos céus, fama eterna, adoração aos astros); fundou Nínive e muitas outras cidades; organizou o primeiro reino deste mundo. A Babilônia é um sistema organizado de impérios e governos humanos, de explorações econômicas, e de todos os matizes de idolatria e ocultismo.
Nimrode era tão pervertido que, segundo escritos, casou-se com sua própria mãe, cujo nome era Semiramis. Depois de prematuramente morto, sua mãe-esposa propagou a perversa doutrina da reencarnação de Nimrode em seu filho Tamuz. Ela declarou que, em cada aniversário de seu nascimento, Nimrode desejaria presentes em uma árvore. A data de seu nascimento era 25 de dezembro. Aqui está a verdadeira origem da árvore de Natal.
Semiramis se converteu na "rainha do céu" e Nimrode, sob diversos nomes, se tornou o "divino filho do céu". Depois de várias gerações desta adoração idólatra, Nimrode também se tornou um falso messias, filho de Baal, o deus-sol. Neste falso sistema babilônico, a mãe e o filho (Semiramis

e Nimrode encarnado em seu filho Tamuz) se converteram nos principais objetos de adoração.
Esta veneração do "par mãe-e-filho" se estendeu por todo o mundo, com variação de nomes segundo os países e línguas. Por surpreendentemente que pareça, encontramos o equivalente da "Madona", da Mariolatria, muito antes do nascimento de Jesus Cristo!
Nos séculos 4o e 5o os pagãos do mundo romano se "converteram" em massa ao "cristianismo", levando consigo suas antigas crenças e costumes pagãos, dissimulando-os sob nome cristãos. Foi quando se popularizou também a idéia de "a mãe com o filho", especialmente na época do Natal. Os cartões de Natal, as decorações e as cenas do presépio refletem este mesmo tema.
A verdadeira origem do Natal está na antiga Babilônia. Está envolvida na apostasia organizada que tem mantido o mundo no engano desde há muitos séculos! No Egito sempre se creu que o filho de Ísis (nome egípcio da "rainha do céu") nasceu em 25 de dezembro. Os pagãos em todo o mundo conhecido celebraram esta data séculos antes do nascimento de Cristo.
Jesus, o verdadeiro Messias, não nasceu em 25 de dezembro. Os apóstolos e a igreja primitiva jamais celebraram o natalício de Cristo. Nem nessa data nem em nenhuma outra. Não existe na Bíblia ordem nem instrução alguma para fazê-lo. Porém, existe, sim, a ordem de atentarmos bem e lembrarmos sempre a Sua MORTE (1Co 11:24-26; Jo 13:14-17).
4. OUTROS COSTUMES PAGÃOS, NO NATAL: GUIRLANDA, VELAS, PAPAI NOEL
 A GUIRLANDA (coroa verde adornada com fitas e bolas coloridas) que enfeita as portas de tantos lares é de origem pagã. Dela disse Frederick J. Haskins em seu livro "Answer to Questions" (Respostas a Algumas Perguntas): "[A guirlanda] remonta aos costumes pagãos de adornar edifícios e lugares de adoração para a festividade que se celebrava ao mesmo tempo do [atual] Natal. A árvore de Natal vem do Egito e sua origem é anterior à era Cristã."
Também as VELAS, símbolo tradicional do Natal, são uma velha tradição pagã, pois se acendiam ao ocaso para reanimar ao deus sol, quando este se extinguia para dar lugar à  noite.
PAPAI NOEL é lenda baseada em Nicolau, bispo católico do século 5o. A Eniclopédia Britânica, 11ª edição, vol. 19, páginas 648-649, diz: "São Nicolau, o bispo de Mira, santo venerado pelos gregos e latinos em 6 de dezembro... conta-se uma lenda segundo a qual presenteava ocultamente a três filhas de um homem pobre... deu origem ao costume de dar em secreto na véspéra do dia de São Nicolau (6 de dezembro), data que depois foi transferida para o dia de Natal. Daí a associação do Natal com São Nicolau..."
Os pais castigam a seus filhos por dizerem mentiras. Porém, ao chegar o Natal, eles mesmos se encarregam de contar-lhes a mentira de "Papai-Noel", dos "Reis Magos" e do "Menino Deus"! Por isso não é de se estranhar que, ao chegarem à idade adulta, também creiam que Deus é um mero mito.      -      Certo menino, sentindo-se tristemente desiludido ao conhecer a verdade acerca de Papai Noel, comentou a um amiguinho: "Sim, também vou me informar acerca do tal Jesus Cristo!"      -     É cristão ensinar às crianças mitos e mentiras? Deus disse: "... nem mentireis, nem usareis de falsidade cada um  com o seu próximo;"  (Lv 19:11). Ainda que à mente humana pareça bem e justificado, Deus, porém, disse: "Há um caminho que parece direito ao homem, mas o seu fim são os caminhos da morte."  (Pv 16:25).
Estudados os fatos, vemos com assombro que o costume de celebrar o Natal, em realidade, não é costume cristão mas, sim, pagão. Ele constitui um dos caminhos da Babilônia no qual o mundo tem caído!



5. O QUE A BÍBLIA DIZ SOBRE A ÁRVORE DE NATAL
As falsas religiões sempre utilizaram a madeira, bem como as árvores, com fins de idolatria:
  "Sacrificam sobre os cumes dos montes, e queimam incenso sobre os outeiros, debaixo do carvalho, e do álamo, e do olmeiro, porque é boa a sua sombra; por isso vossas filhas se prostituem, e as vossas noras adulteram."  (Os 4:13)
  "Não plantarás nenhuma árvore junto ao altar do SENHOR teu Deus, que fizeres para ti."  (Dt 16:21)
Essas árvores ou pedaços de madeira serviam para adoração e culto doméstico. O pinheiro – símbolo natalino – possui a mesma conotação.
6. É BÍBLICO A TROCA DE PRESENTES?
Biblioteca Sacra, vol. 12, páginas 153-155: "A troca de presentes entre amigos é característico tanto do Natal como da Saturnália, e os cristãos seguramente a copiaram dos pagãos, como o demonstra com clareza o conselho de Tertuliano".
O costume de trocar presentes com amigos e parentes durante a época natalina não tem absolutamente nada a ver com o cristianismo! Ele não celebra o nascimento de Jesus Cristo nem O honra! (Suponhamos que alguma pessoa que você estima está aniversariando. Você a honraria comprando presentes para os seus próprios amigos??... Omitiria a pessoa a quem deveria honrar??... Não parece absurdo deste ponto de vista?!...)
Contudo, isto é precisamente o que as pessoas fazem em todo o mundo. Observam um dia em que Cristo não nasceu, gastando muito dinheiro em presentes para parentes e amigos. Porém, anos de experiência nos ensinam que os critãos confessos se esquecem de dar o que deviam, a Cristo e a Sua obra, no mês de dezembro. Este é o mês em que mais sofre a obra de Deus. Aparentemente as pessoas estão tão ocupadas trocando presentes natalinos que não se lembram de Cristo nem de Sua obra. Depois, durante janeiro a fevereiro, tratam de recuperar tudo o que gastaram no Natal, de modo que muitos, no que se refere ao apoio que dão a Cristo e Sua obra, não voltam à normalidade até março.
Vejamos o que diz a Bíblia em Mateus 2:1,11 com respeito aos presentes que levaram os magos quando Jesus nasceu:
  "E, tendo nascido Jesus em Belém de Judéia, no tempo do rei Herodes, eis que uns magoS vieram do oriente a Jerusalém, ... E, entrando na CASA, acharam o menino com Maria sua mãe e, prostrando-se, O adoraram; e abrindo os seus tesouros, ofertaram-LHE dádivas: ouro, incenso e mirra."
7. POR QUE OS MAGOS LEVARAM PRESENTES A CRISTO?
Por ser o dia de seu nascimento? De maneira nenhuma! Pois eles chegaram várias semanas ou meses depois do seu nascimento (Mt 2:16). Ao contrário do que mostram os presépios, Jesus já estava numa casa, não numa estrebaria.
Então, os magos deram presentes uns aos outros para deixar-nos exemplo a ser imitado? Não! Eles não trocaram nenhum presente com seus amigos e familiares, nem entre si mesmos, mas sim presentearam unicamente a CRISTO.

Por que? O mencionado comentário bíblico de Adan Clarke, vol. 5, pg.46, diz: "Versículo 11 ("ofereceram-lhe presentes"). No Oriente não se costuma entrar na presença de reis ou pessoas importantes com as mãos vazias. Este costume ocorre com freqüência no Velho Testamento e ainda persiste no Oriente e em algumas ilhas do Pacífico Sul."
Aí está! Os magos não estavam instituindo um novo costume cristão de troca-troca de presentes para honrar o nascimento de Jesus Cristo! Procederam de acordo com um antigo costume Oriental que consistia em levar presentes ao rei ao apresentarem-se a ele. Eles foram pessoalmente à presença do Rei dos Judeus. Portanto, levaram oferendas, da mesma maneira que a rainha de Sabá levou a Salomão, e assim como levam aqueles que hoje visitam um chefe de estado.
O costume de trocas de presentes de Natal nada tem a ver com o nascimento do Cristo de Deus, é apenas a continuação de um costume pagão.
                                                                              
8. UM "NATAL CORRIGIDAMENTE CRISTÃO"  PODE REALMENTE HONRAR A CRISTO?
Há pessoas que insistem em que, apesar das raízes do Natal estarem no paganismo, agora elas não observam o Natal para honrarem um falso deus, o deus sol, senão para honrarem a Jesus Cristo. Mas diz Deus:
  "Guarda-te, que não te enlaces seguindo-as, ...; e que não perguntes acerca dos seus deuses, dizendo: 'Assim como serviram estas nações os seus deuses, do mesmo modo também farei eu.'    Assim não farás ao SENHOR teu Deus; porque tudo o que é abominável ao SENHOR, e que Ele odeia, fizeram eles a seus deuses; ...".  (Dt 12:30-31)
  "Assim diz o SENHOR: 'Não aprendais o caminho dos gentios, ...    Porque os costumes dos povos são vaidade; ...'" (Jr 10:2-3).
Deus disse-nos claramente que não aceitará este tipo de adoração: ainda que tenha hoje a intenção de honrá-Lo, teve origem pagã e, como tal, é abominável e honra não a Ele mas sim aos falsos deuses pagãos.
Deus não quer que O honremos "como nos orienta a nossa própria consciência":
    "Deus é Espírito; e importa que os que O adoram O adorem em espírito e em verdade". (Jo 4.24).
O que é a verdade? Jesus disse que a Sua palavra, a Bíblia, é a verdade (Jo 17:17).  E a Bíblia diz que Deus não aceitará o culto de pessoas que, querendo honrar a Cristo, adotem um costume pagão:
    "Mas em vão me adoram, ensinando doutrina que são preceitos dos homens." (Mt 15:9).
A comemoração do Natal é um mandamento (uma tradição) de homens e isto não agrada a Deus.
    "E assim invalidastes, pela vossa tradição, o mandamento de Deus" (Mt 15:6).
    "Não farás assim ao Senhor teu Deus, porque tudo o que é abominável ao Senhor, o que Ele odeia, fizeram eles aos seus deuses."
Não podemos honrar e agradar a Deus com elementos de celebrações pagãs!


9. ESTAMOS NA BABILÔNIA, SEM O SABERMOS
Nem precisamos elaborar: quem pode deixar de ver nausebundos comercialismo, idolatria, e transigência por trás do "Natal"?... E que diz Deus? Devemos "adaptar e corrigir o erro"? Ou devemos praticar "tolerância zero, separação total"?
  "Sai dela, povo meu, para que não sejas participante dos seus pecados, e para que não incorras nas suas pragas." (Ap 18:4)

10. AFINAL, A BÍBLIA MOSTRA QUANDO NASCEU JESUS?
Jesus Cristo nasceu na festa dos Tabernáculos, a qual acontecia a cada ano, no final do 7º mês (Etenim) do calendário judaico, que corresponde ao mês de setembro do nosso calendário. A festa dos Tabernáculos (ou das Cabanas) significava Deus habitando com o Seu povo. Foi instituída por Deus como memorial, para que o povo de Israel se lembrasse dos dias de peregrinação pelo deserto, dias em que o Senhor habitou no Tabernáculo no meio de Seu povo (Lv. 23:39-44; Ne. 8:13-18 ).
Em João 1:14 ("E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade.") vemos que o Verbo (Cristo) habitou entre nós. Esta palavra no grego é skenoo = tabernaculou. Devemos ler "E o Verbo se fez carne, e TABERNACULOU entre nós, e...". A festa dos Tabernáculos cumpriu-se em Jesus Cristo, o Emanuel (Is. 7:14)  que significa "Deus conosco". Em Cristo se cumpriu não apenas a festa dos Tabernáculos, mas também a festa da Páscoa, na Sua morte  (Mt. 26:2; I Co. 5:7), e a festa do Pentecostes, quando Cristo imergiu dentro do Espírito Santo a todos os que haveriam de ser salvos na dispensação da igreja (At 2:1).
Vejamos nas Escrituras alguns detalhes que nos ajudarão a situar cronologicamente o nascimento de Jesus:
·        Os levitas eram divididos em 24 turnos e cada turno ministrava por 15 dias;  1Cr 24:1-19 (24  x 15 dias = 1 ano)
·        O oitavo turno pertencia a Abias (1Cr 24:10)
·        O primeiro turno iniciava-se com o primeiro mês do ano judaico – mês de abibe Ex 12:1-2; 13:4; Dt 16:1.
Temos a seguinte correspondência:
Mês (número)
Mês (nome, em Hebraico)
Turnos
Referências
1
Abibe ou Nisã = março
1 e 2
Êx 13:4 Ester 3:7
2
Zive = abril
3 e 4
1Re 6:13
3
Sivã = maio
5 e 6
Est 8:9
4
Tamuz = junho
7 e 8 (Abias)
Jr 39:2; Zc 8:19
5
Abe = Julho
9 e 10
Nu 33:38
6
Elul: agosto
11 e 12
Ne 6:15
7
Etenim ou Tisri = setembro
13 e 14
1Rs 8:2
8
Bul = outubro
15 e 16
1Rs 6:38
9
Chisleu = novembro
17 e 18
Ed 10:9; Zc 7:
10
Tebete = dezembro
19 e 20
Et 2:16
11
Sebate = janeiro
21 e 22
Zc 1:7
12
Adar = fevereiro
23 e 24
Et 3:7
                                                                 
Zacarias, pai de João Batista, era sacerdote e ministrava no templo durante o "turno de Abias" (Tamuz, i.é, junho) (Lc 1:5,8,9). Terminado o seu turno voltou para casa e (conforme a promessa que Deus lhe fez) sua esposa Isabel, que era estéril, concebeu João Batista (Lc 1:23-24) no final do mês Tamus (junho) ou início do mês Abe (julho). Jesus foi concebido 6 meses depois (Lc 1:24-38), no fim de Tebete (dezembro) ou início de Sebate (janeiro). Nove meses depois, no final de Etenim (setembro), mês em que os judeus comemoravam a Festa dos Tabernáculos, Deus veio habitar, veio tabernacular conosco. Nasceu Jesus, o Emanuel ("Deus conosco").


ANOTAÇÕES FINAIS DO PR. SÉRGIO APARECIDO DIAS:
Apesar de não ser “matéria de fé”, ou seja: não é uma questão dogmática, é necessário situar o nascimento de Cristo numa época o mais aproximada possível com as prováveis datas dos eventos narrados. Temos também de lembrar que o calendário cristão está errado em cerca de 4 ou 5 anos, pois é baseado no calendário romano, que por sua vez baseia-se numa lenda sobre a fundação de Roma. Em breve postarei um artigo de minha autoria sobre o Natal, em que abordo essas situações e a matemática confusa de se tentar harmonizar A.U.C. (data da fundação de Roma) com A.D. (Ano do Senhor). Também recorro ao grego, para tirar dúvidas sobre a manjedoura, onde Jesus nasceu, e a casa onde os magos realmente tiveram o encontro com Jesus, cerca de 1 ano e 8 meses depois do seu nascimento.  

.